in ,

A COVAXIN VAI IMUNIZAR O PAÍS DO VÍRUS?

É hoje que Bolso começa a cair pra valer? Espero que sim!

Mas, como pessoas menos otimistas do que eu já apontaram no Twitter, este é praticamente o terceiro Fiat Elba do genocida e nada aconteceu, então… Fora que é duro confiar num podre como o deputado Luis Miranda (DEM-DF), que agora os bolsonaristas andam dizendo que é idolatrado pela gente! Como se nós da esquerda é que tivéssemos votado num cabra desses…

O fato é que, como disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid e um dos grandes destaques , “A CPI entrou em uma fase nova. Até então estávamos investigando negacionismo, gabinete paralelo, omissão na compra de vacinas. Agora, vamos começar a investigar corrupção”. Era exatamente isso que os bolsonaristas cobravam da CPI: que investigasse casos de corrupção na pandemia! E agora que a CPI faz isso, eles chiam! Nunca estão satisfeitos.

É no mínimo curioso o genocida ter sido contra todas as vacinas, menos a Covaxin. Ele ignorou dezenas de emails da Pfizer, e até hoje faz propaganda contra a Coronavac. A única que ele se empenhou pessoalmente para comprar rapidinho (sem aprovação da Anvisa, que só veio meses depois) foi a Covaxin. Bolso até enviou carta a Modi, primeiro-ministro da Índia, pedindo a vacina. O que será que ela tem que as outras não têm? Talvez um item chamado propina?

O pior governo de todos os tempos estava disposto a pagar dez vezes mais (US$ 15 a dose) pela Covaxin do que o preço anunciado pelo laboratório Bharat Biotech em agosto de 2020. E foi a única que teve intermédio de empresa privada (a Precisa), ou seja, não foi negociada diretamente com o laboratório, como as outras. Quantos milhões foram pro bolso do Bolso?

Era pra que 20 milhões de doses fossem entregues de forma escalonada entre março a maio, ao custo de R$ 1,6 bilhão. Até junho, nenhuma dose havia chegado. E tem mais: Flávio Bolsonaro fez a ponte entre o BNDES e empresa Precisa Medicamentos, intermediária das compras de vacinas superfaturadas da Covaxin. Alguns dias depois de fechado o contrato, ele comprou sua mansão de 6 milhões de reais. Mas é tudo uma feliz coincidência, lógico!


A Madison Biotech, a empresa que queria cobrar 45 milhões de dólares adiantados do Ministério da Saúde pela Covaxin, pertence à Biovet Private Limited, uma empresa de vacinas pra gado (piada pronta, né?). Suspeita-se que a Madison seja uma empresa de fachada, criada em fevereiro de 2020 para ocultar transações irregulares e assim lucrar com a pandemia. O Intercept  foi até Singapura, um paraíso fiscal, para tentar encontrar a empresa (veja o vídeo ).

Uma das desculpas da base bolsonarista para tentar livrar a cara de Bolso do escândalo é que a compra não foi feita. Mais uma mentira. O ministério da saúde assinou contrato com a Precisa Medicamentos para a compra da Covaxin em 25 de fevereiro de 2021. Pelo menos cinco perfis oficiais anunciaram a compra: o próprio ministério da saúde, o secretário de comunicações Fábio Faria, o senador e filho 01 Flavio Bolsonaro, e o deputado bolsonarista Bibo Nunes. Agora a narrativa é que o governo comprou somente 3 milhões de doses, não 20. Só essa discrepância entre os números já é um bom indício da corrupção.

bolso2Bcartum2Bquinho2Blazaro
Dois dos nomes-chave desta confusão são o deputado Luis Miranda, que chegou para depor hoje na CPI com colete à prova de balas e bíblia (após ter sido ameaçado pelo sinistro Onyx e por Dudu Bananinha, que querem acionar a PF para investigar o deputado e seu irmão. Onyx foi ainda mais longe: em tom miliciano, avisou que o “traidor” iria pagar), e seu irmão com o mesmo nome, o servidor Luis Ricardo Miranda. 

Ambos dizem ter se encontrado pessoalmente com Bolso no dia 20 de março para passar suas suspeitas sobre a compra da Covaxin. O presidente disse que iria pedir pra PF investigar. E não pediu.

Além disso, o servidor alega ter sofrido “pressão atípica” para que o contrato fosse assinado, e jura que Pazuello foi exonerado do cargo de ministro da Saúde por não ceder à corrupção. 

E hoje Bolso deu outro chilique , xingando uma jornalista (quase sempre são mulheres) que perguntou sobre a Covaxin. Quando não está gritando descontroladamente, o genocida faz o que sabe fazer de melhor: se vitimizar. Diz ser “incorruptível” e insiste na narrativa de que acabou com a corrupção no Brasil.

Pra quem não tem corrupção pra esconder, bem que o governo está tentando tudo o que pode para tumultuar a CPI. Vale até ameaça miliciana! Sinceramente: teve outro governo em que um ministro ameaçou um deputado (ainda mais da base aliada)?

Estamos na torcida para que a Covaxin imunize o Brasil do vírus Bolsonaro, a pior variante de todas!

O post “A COVAXIN VAI IMUNIZAR O PAÍS DO VÍRUS?” foi publicado em 25th June 2021 e pode ser visto originalmente na fonte Escreva Lola Escreva

CDR debate caminhos para expansão do saneamento básico

Senado vota na terça PL que define regras de parceria com terceiro setor na pandemia